Estudo: Cães se tornam menos curiosos, mas mais apegados à medida que envelhecem

De acordo com as descobertas de um novo estudo da Universidade da Hungria e da Universidade de Medicina Veterinária da Áustria, sobre a personalidade dos cães, ela realmente sofre mudanças com a idade, assim como nós, humanos. E embora a mudança nos traços de personalidade de um cão ocorra de forma desigual ao longo da vida do cão, cada um desses traços de personalidade segue um padrão previsível e frequentemente significativo.

Os pesquisadores usaram uma bateria de testes abrangente conhecida como Teste de Personalidade do Cão de Viena (VIDOPET). Este teste inclui cinco características principais, da mesma forma que os pesquisadores nos medem.

O estudo descobriu que a personalidade do cão, como a nossa, é estável em muitos aspectos. As personalidades caninas permaneceram bastante consistentes ao longo do tempo, e essa pesquisa pode ajudar a prever a trajetória que um animal fará. Os cães mais ativos da amostra permaneceram os mais ativos quatro anos depois.

E embora alguns traços de personalidade de um cão mudem mais do que outros, essa mudança de personalidade é relativamente consistente e previsível. Uma dessas qualidades, conhecida como “orientação para o problema” (e que descreve a atenção e a capacidade do cão para buscar soluções), muda principalmente durante a infância. Aumenta muito até cerca dos seis anos de idade, depois dos quais outras mudanças se tornam insignificantes.

A busca por novidades e a independência caem com o tempo
Por outro lado, a “busca de novidades” não muda muito durante os primeiros anos, mas diminui a partir dos três anos de idade. Depois disso, diminui a (auto) curiosidade por objetos e situações novas, e isso continua até a velhice.

Outra característica que diminui continuamente ao longo do curso de vida do cão é a independência de atividade. Esta característica mostrou a diminuição mais forte à medida que os cães passavam da infância para a adolescência (1-2 anos de idade).

De acordo com a pesquisa, traços que tendem a mudar muito pouco com o tempo incluem sociabilidade-obediência e tolerância à frustração.

Os autores do estudo dizem que os cães já são reconhecidos como um modelo natural para o envelhecimento cognitivo humano e os resultados sugerem que regras semelhantes governam as mudanças relacionadas à idade na personalidade humana e canina.

Viu como cãezinhos são parecidos com nós, humanos? :)

Fonte: revista Nature Scientific Reports